Tá Contratado – Notícias e Novidades

Sol tem maior explosão em 10 anos; veja vídeos impressionantes

Uma enorme erupção no Sol, na última sexta-feira (17), às 17h22 (horário de Brasília), gerou uma poderosa tempestade solar que durou mais de uma hora. Ocorreram até blecautes temporários de rádio no lado iluminado da Terra.

  • Também chamada de “flare”, uma erupção solar é uma explosão repentina na superfície do Sol, causada por mudanças em seu campo magnético.
  • De classe X2.28, este foi o mais forte flare registrado desde 2013.
  • A erupção desencadeou uma Ejeção de Massa Coronal (CME), uma grande bolha de plasma (gás superaquecido), que é liberada do Sol e viaja pelo universo a velocidades altíssimas.
  • Se se espalham na direção da Terra, estas partículas carregadas podem geram tempestades geomagnéticas.

O momento pode ser visto em vídeos impressionantes registrados por instrumentos do Observatório Solar e Heliosférico (SOHO), uma nave da Nasa em parceria com a Esa, a agência espacial europeia.

Relacionadas

imagem21-02-2023-04-02-06

Choveu dois meses em um só dia no litoral de SP; veja como medição funciona

imagem21-02-2023-04-02-07

Auroras boreais vermelhas dão show nos céus da Europa e América; veja vídeo

imagem21-02-2023-04-02-07

EUA podem ter gasto míssil de R$ 2,5 mi para derrubar balão amador de R$ 60

Hoje ocorreu uma grande explosão no Sol, uma flare de Classe X2.2, essa flare gerou uma Ejeção de Massa Coronal, ou CME, impressionante como pode ser vista nesse pequeno vídeo do instrumento LASCO. pic.twitter.com/BxjdZiajVY

— Sacani (Space Today) (@SpaceToday1) February 18, 2023

Poucos minutos após a flare de Classe X2.2 que entrou em erupção ontem, ocorreu uma grande Ejeção de Massa Coronal, uma CME no Sol, esse é o vídeo feito com dados do instrumento LASCO C2 da sonda SOHO, o evento foi no limbo do Sol e não direcionado para a Terra. pic.twitter.com/wLybEcZMna

— Sacani (Space Today) (@SpaceToday1) February 18, 2023

Erupções solares solares são classificadas com letras e números, para demonstrar sua intensidade:

  • Classe A: mais fracas
  • Classes B, C e M: moderadas
  • Classe X: mais intensas
  • Magnitude de X1 a X9 (quando maior o número, mais poderosa)

O Observatório Solar Dynamics (SDO), um satélite da Nasa, também capturou um vídeo da explosão:

A flare do dia 17 de fevereiro às 20:22 UTC foi um flare de Classe X2.28, ela é a flare mais forte desse ciclo, mas é também a flare mais forte registrada no Sol desde 29 de outubro de 2013, flare que ocorreu próximo do pico do Ciclo 24. Seguimos acompanhando o Sol no Ciclo 25. pic.twitter.com/cadUYq5krB

— Sacani (Space Today) (@SpaceToday1) February 18, 2023

Este flare X2.28 veio depois de uma série de erupções solares e CMEs nos últimos dias. O mais intenso deles, até então, havia sido de classe X1.1, no dia 11 de fevereiro.

Aqui na Terra, eventos desta classe podem causar alguns efeitos:

  • Danos na rede elétrica e em equipamentos
  • Interferências em sistemas de navegação e comunicação (aconteceram perdas de sinal em algumas frequências de rádio)
  • Auroras boreais mais intensas e coloridas (foram registradas até vermelhas, raras, nestes dias)

O Sol tem ciclos de 11 anos, que alterna períodos de maior e menor atividade. Ele está atualmente na fase mais ativa de seu Ciclo 25.

Related Posts