Hospitais fluminense batem recorde em captação de órgãos em 2021 | Agência Brasil

Os hospitais estaduais Alberto Torres (Heat), em São Gonçalo, região metropolitana do Rio de Janeiro; Adão Pereira Nunes, em Duque de Caxias, Baixada Fluminense; e Roberto Chabo, em Araruama, Região dos Lagos, batem recorde, juntos, de órgãos, tecidos e ossos captados e enviados para o Estado Central de Transplantes, nos últimos onze meses. Foram mais de 373 órgãos captados, entre eles 15 corações, que beneficiaram mais de 600 pessoas.imagem03-01-2022-00-01-55imagem03-01-2022-00-01-55

Os três hospitais são administrados pelo Instituto de Desenvolvimento, Ensino e Assistência à Saúde (Ideias), em parceria com a Secretaria de Estado da Saúde (SES), e estão entre as primeiras unidades do estado do Rio de Janeiro em captação de órgãos. Unidades de emergência e emergência, os hospitais são especializados no resgate a pacientes com traumas múltiplos. A informação foi divulgada hoje (2) pelo núcleo de imprensa do governo fluminense.

Gravação

Segundo colocado no ranking nacional de captação de órgãos em 2020, o Hospital Adão Pereira Nunes, também conhecido como Hospital Saracuruna, registrou 100 protocolos de morte encefálica em 2021. Com a intervenção da equipe da Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Organ e Tecidos para Transplantes (CIHDOTT), 45 efetivos de captação de órgãos foram realizados.

O coordenador da comissão do Hospital Adão Pereira Nunes, enfermeiro Gilberto Malvar, comemorou o resultado. ” Entre essas legendas, obtivemos 10 corações (registro histórico), um pulmão, três pâncreas, 37 fígados, 70 rins, 77 córneas, uma captação de ossos e uma de pele. Isso tem como resultado a poupança de aproximadamente 125 vidas por meio de transplante de órgãos sólidos e a melhoria na qualidade de vida de cerca de 300 pessoas através do transplante de tecidos, ” disse Malvar.

A taxa de permissão da família para doação de órgãos no Hospital de Saracuruna está em 75% e é considerada bastante significativa. No entanto, nem todos os casos autorizados seguem para doação devido a contraindicações que surgem durante o processo. A unidade é uma legenda em captação, tendo ficado em primeiro lugar na premiação do Programa de Transplante do Estado do Rio de Janeiro, relatou Malvar.

Generosidade

O Hospital Roberto Chabo, situado no município de Araruama, Região dos Lagos, também salvou vidas ao longo de 2021. Foram mais de 24 órgãos captados para além de tecidos e ossos, que atendeu mais de 150 pessoas. A enfermeira Michele Guedes disse que um dos últimos processos de captação aconteceu em meados de novembro, após a família de um jovem de 20 anos, vítima de acidente de moto, ter autorizado a doação.

” O corpo do paciente, que entrou em óbito dias após sua entrada na unidade, deixou o Centro de Cuidados Intensivos sob aplausos de médicos, enfermeiros, equipe de apoio e funcionários administrativos. Foi um ato de agradecimento. A família foi acolhida por nossa equipe pela generosidade da doação dos órgãos da pessoa amada, que transformou a vida de outras pessoas “, disse. disse Michele.

A equipe do Hospital Estadual Alberto Torres, em São Gonçalo, conseguiu beneficiar cerca de 200 pacientes que aguardantes na fila de transplante, graças à captação de 51 órgãos.

De acordo com informações do governo fluminense, nos dias de captação está montada uma força-tarefa em cada hospital. Quando um potencial doador é identificado e a equipe médica visualiza a doação de órgãos cuja captação e transporte tem que ser feita em até quatro horas, como o coração, a equipe da comissão aciona a Central Estadual de Transplantes. O centro envia então helicóptero e até batedores da Polícia Militar, para que o paciente que está do outro lado possa receber o transplante na hora certa.

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.